15 minutos de leitura

A inovação nas empresas é uma forma de adaptar os negócios à modernidade e garantir resultados incríveis. Com esse foco, a companhia otimiza os seus produtos e melhora a relação com os clientes, se tornando singular e dinâmica como o mercado demanda.

O conceito está associado com a tecnologia, mas também abarca a aplicação de novas ideias e de uma cultura centrada em criatividade e colaboração. Dessa forma, temos a ideia de Open Innovation como um dos principais pilares da inovação moderna.

Se quiser saber como esse termo é sinônimo de melhores resultados sem grandes custos e esforços internos, não deixe de acompanhar atentamente os tópicos a seguir.

O que é Open Innovation?

Open Innovation é uma estratégia para angariar novas ideias para o desenvolvimento e criação de soluções em uma empresa. Baseia-se na mistura entre sugestões internas e externas, com foco em confronto de perspectivas e colaboração, a fim de alcançar resultados inovadores.

Ou seja, é uma cultura que promove insights novos, não explorados, e que amplia o escopo de análise da companhia para fora das suas paredes. A organização passa a ouvir outras companhias, pessoas de fora e a aceitar suas contribuições para as melhorias internas.

Dessa forma, representa um estímulo à criatividade de uma maneira totalmente expansiva e diferenciada. A corporação conta com um leque maior de alternativas e soluções e consegue filtrar o que funciona melhor. Há um fluxo maior de insights, o que possibilita um aproveitamento maior de talentos externos e internos.

Em alguns casos, Open Innovation pode estar limitada às estruturas da empresa. Nesse sentido, a abertura se dá entre os setores, com cooperação entre diversos pontos e unidades distintas. Contudo, o mais comum é associar o termo a buscar ideias de fora, o que pode ser feito com:

  • colaboração direta com outras organizações;
  • colaboração com especialistas no assunto;
  • colaboração com todas as pessoas, experts ou não.

De certa forma, é uma maneira de aplicar a terceirização do desenvolvimento, já que a corporação conta com o apoio de profissionais não contratados, mas que são capazes de ajudar. Isso inclui feedbacks constantes e respostas às ações da companhia por parte de clientes, por exemplo, que abrange uma série de outras abordagens que estudaremos com mais detalhes ao longo deste conteúdo.

Como ela a manter a cultura de inovação viva?

Essa cultura expande a visão da organização. Se antes ela só enxergava os aspectos apontados pelas equipes internas, com a aplicação da inovação aberta ela começa a considerar quem está de fora e como esses colaboradores compreendem problemas e sugerem soluções. Assim, é possível estimular características da disrupção: evolução e crescimento constante.

O apoio externo ajuda a tirar a visão dos gestores de um certo local de conforto e a entender quais os pontos falhos e os processos que precisam de ajustes. Aderir a ideias externas é admitir que existem limitações internamente, e essa admissão é fundamental para abraçar as melhorias e evoluir como empresa. Por isso, é um pilar importante para alcançar a maturidade digital.

O conceito de Open Innovation se destaca por propiciar uma inovação menos burocrática também. Afinal, coletar insights e feedbacks de clientes e profissionais parceiros é menos custoso e demorado do que fazer pesquisas internas, que envolvem gerenciamento da equipe, consumo de recursos e outras questões.

Dessa forma, a companhia garante uma base sólida para criar soluções melhores e mais adequadas, pensando sempre nas necessidades e nas dores dos seus clientes.

Quais as vantagens da Open Innovation?

Vamos, então, sistematizar as principais vantagens da inovação aberta.

Networking

O trabalho lado a lado com outras empresas e o contato com insights de outros colaboradores fortalece o networking. Esse conceito é importante no contexto empresarial, pois estimula a colaboração e a ajuda mútua entre entidades e pessoas em busca do crescimento. Um funcionário aprende com o outro e ambos evoluem.

Competitividade e melhor reputação

Uma organização aberta a ideias externas conquista logo uma boa reputação. Ou seja, a inovação aberta favorece a competitividade, pois destaca a companhia e gera credibilidade no mercado. Assim, ela conquista novos negócios com facilidade, já que transmite uma imagem de modernidade e atualização constante, o que representa melhores resultados e geração de valor.

Adaptação à modernidade

Open Innovation tem tudo a ver com os parâmetros da modernidade. Inclusive, ela existe porque as tecnologias atuais permitem a possibilidade de comunicação descentralizada, por exemplo. Dessa forma, investir na aplicação do conceito é uma ótima maneira de se adaptar ao mundo moderno e se manter preparado para as demandas da atualidade e do futuro.

Com essa cultura, as companhias se mantêm atualizadas com relação a novas ferramentas e abordagens, sempre buscando formas diferentes de abordar seus problemas. A troca de ideias favorece as mudanças naturalmente e permite que haja um suporte maior a princípios novos e modernos.

Eficiência e produtividade

Se a companhia abre o processo de desenvolvimento e recebe ideias e soluções externas, ela ganha com maior eficiência e produtividade. Afinal, é possível conseguir contato com ótimos colaboradores de fora que trabalham com metodologias inovadoras e podem contribuir com seus talentos e habilidades.

Desse modo, a empresa consegue resultados mais rápidos do que com o modelo tradicional da estrutura interna, em que há demora por conta de outras responsabilidades. O risco não existe, pois não há nenhum investimento. Desse modo, as ideias que vierem de fora já são lucrativas mesmo antes de serem realmente incorporadas.

Engajamento do público

Em casos de contribuições dos clientes, é possível conseguir engajamento desse público e apoio fidelizado dele. Ao abrir as portas para o feedback, a companhia estabelece o diálogo e faz com que as pessoas se sintam parte do desenvolvimento. Assim, elas se sentem confortáveis em continuar negociando e utilizando seus produtos e soluções, bem como recomendá-los para outros.

Como aplicar a Open Innovation em minha empresa?

Neste tópico final, vamos apresentar algumas estratégias práticas para aplicar a ideia de inovação aberta.

hackathon é uma das abordagens mais comuns. Trata-se de eventos especiais em que a empresa estabelece competições entre especialistas. O desafio é chegar à solução para um problema e quem ganha é recompensado de alguma maneira. Evidentemente, o problema está relacionado ao escopo da companhia, de modo que as criações podem ser utilizadas internamente para melhorias.

Programas de ideias também são interessantes e se limitam ao ambiente interno. A organização estimula a participação de funcionários, com sugestões e insights, e oferece prêmios e benefícios para quem se destacar.

crowdsourcing é um conceito um pouco mais amplo que o de hackathon e visa encontrar pessoas para cooperarem com alternativas e soluções. Profissionais externos podem ser contratados, a fim de desenvolver produtos digitais, por exemplo, o que libera a equipe interna e evita custos com gerenciamento de TI.

Por fim, queremos citar a Corporate Venture, que compreende uma parceria entre corporações e pequenas startups na busca por possíveis soluções que ajudem a sanar as dores da corporação.

Open Innovation é uma maneira de garantir ideias novas e insights que não foram pensados, a fim de otimizar produtos e impulsionar resultados. Está associada com as tecnologias, a transformação digital e os impactos dos novos métodos da modernidade. É possível aplicar essa cultura com algumas estratégias e os benefícios são concretos e incríveis.

Agora que você já sabe mais sobre o tema, assine a newsletter e acompanhe nossos conteúdos em sua caixa de entrada.

Você pode também gostar