4 minutos de leitura

Hoje em dia, todos que têm uma grande ideia, um momento “AH HA” pensam: e se tivesse um App para… E aí começa o problema. Será mesmo que você precisa de um aplicativo pra isso? Ou melhor, será mesmo que seu MVP precisa ser um app logo de cara?

Veja, não estou dizendo que um aplicativo não seja uma boa opção para viabilizar um modelo de negócio. Estou dizendo que nem sempre é a melhor, e muito menos a mais barata.

Aplicativos são ótimas plataformas para modelos de negócio que exigem uma recorrência alta ou um engajamento frequente do usuário, como Uber, Facebook, WhatApp, etc. Nem tudo tem que ser um aplicativo.

Isso pode ser um choque para você. E também foi para mim.

Eu tive exatamente o comportamento que descrevi há 4 anos, quando quis desenvolver um App de Cupons para bairros isolados dos grandes centros, para fomentar o comércio local. Tipo um Peixe Urbano, só que para bairros pequenos.


O que aconteceu?

Gastei R$49.750,00 reais no meu “MVP” – que de MVP não tinha nada.

Não que eu tivesse todo o dinheiro do mundo, mas eu infelizmente tinha uma empresa de desenvolvimento por trás desse novo modelo, uma empresa composta por investidores e familiares. Eu falo infelizmente porque se eu não tivesse recurso para desenvolver a minha ideia, provavelmente teria economizado muito dinheiro e muito tempo. Mas já chegaremos lá.

Então, depois de muito tempo e muito bate-boca eu acabei ficando com um app iOS bem bonito e funcional. Mas que, claramente, não era o suficiente.

Eu havia criado um aplicativo que até tinha valor para o usuário final, mas não tinha valor para quem iria realmente pagar a conta: o estabelecimento que compraria meus Cupons. O que mais me doeu foi que essa hipótese teria sido testada em um MVP 90% mais barato. Pois é, life is tough.


O que eu aprendi?

Aplicativo = $

Apps são muito caros e complexos de serem desenvolvidos. Isso acontece pelo fato de um desenvolvedor mobile ter uma hora mais valorizada e o desenvolvimento de um app exigir um tempo e complexidade maior de testes, em relação a sites e aplicações web.

E não para por aí. Se você for fazer um aplicativo para um modelo de negócos ainda não validado, com certeza seus custos vão se mutiplicar depois de ter o produto pronto. Afinal, acredite, você não sabe nada do seu consumidor.

Aplicativo = alta recorrência e engajamento frequente

Modelos de negócios que não têm uma alta recorrência e/ou não exigem um engajamento diário ou semanal do usuário não exigem que o MVP seja um app – apesar de poder evoluir para um, quando as hipóteses estiverem validadas e o modelo de negócios pivotado.

Isso parece ser intuitivo. Mas não é. Ainda existe muita demanda de aplicativos que não deveriam ser aplicativo.

Aplicativo > recursos disponíveis do empreendedor

O valor de um app, desenvolvido por uma softwarehouse, agência ou freelancers de alta performance (que são os que de fato vão entregar o que você idealizou) costuma ser mais alto do que um empreendedor em estágio embrionário pode pagar.

Hora da publicidade! É aí que entra o BossaBox. Desenvolvemos a um preço menor do que a média do mercado e de uma forma mais ágil, segura e informal. Além disso, temos Landing Pages com preço fixo de R$900,00 para servir como seu primeiro MVP. Clique aqui, fale com nosso bot e orce o seu projeto.

Aplicativo < Web Responsivo

Por fim e, ao meu ver, a conclusão mais interessante para você que quer desenvolver um app: uma aplicação web-móvel bem desenvolvida, responsiva, mobile first, pode ser uma alternativa melhor do que um app a um custo muito menor. Uma aplicação web precisa ser desenvolvida uma só vez e pode ser acessada em qualquer device, sendo iOS, Android, WindowsPhone, desktop e em qualquer navegador.

A Gartner, em sua conferência anual, Gartner Symposium/ITExpo comunicou dez previsões tecnológicas de curto prazo e uma delas é que em 2019, 20% das grandes marcas vão abandonar aplicativos móveis. O argumento é que “o custo ainda é maior que o benefício” e que existe uma tendência global para que o mundo volte à web-móvel, principalmente com o surgimento dos Progressive Web Apps, uma aba no Google Chrome que se torna “progressivamente mais app” à medida em que interage com ele.

Além disso, hoje são milhares de apps para milhares de objetivos diferentes, que ocupam memória e ficam inutilizados. Segundo Gartner, os apps não vão desaparecer completamente, mas já estamos entrando na “era pós-app”.


Qual é a conclusão?

Bom, a conclusão é que você dificilmente precisa de um aplicativo para começar a empreender. Faça um MVP antes, valide hipóteses e mensure a demanda e o valor que a sua proposta teria para seu consumidor. Não cometa o erro que eu cometi.